15.2.18

Trilogia Dark paradise, de Juliana Dantas

Júlia Raquel
Em janeiro resolvi dar continuidade ao meu projeto Ler independentes e comecei a trilogia “Dark Paradise” da autora Juliana Dantas. A estória já conseguiu me envolver logo no primeiro volume, Longe do paraíso, e fez com que devorasse as obras em três dias. Como os livros abordam a trajetória do mesmo casal, resolvi unifica-los em uma só resenha. Espero que gostem!

Trilogia Dark Paradise | Juliana Dantas | 954 páginas | Gênero romance / adulto | Autor independente | Avaliação: 🌟🌟🌟🌟🌟 | Compre o e-book


Mia é uma garota de 17 anos como outra qualquer. Tímida, meio calada e com o sonho de entrar na Universidade de Yale. Os 18 anos estão batendo na porta e ela contando os segundos para isso. Mas, o que a jovem não esperava era ter a vida virada de ponta cabeça da noite para o dia.

O pai de Mia está sendo acusado de roubar milhões da empresa onde trabalha, a Constantini. Sabendo que tudo pode piorar em uma estória, durante uma fuga, o helicóptero em que ele estava caiu e as sequelas desse acidente foram o coma.

Agora, o dono da empresa está disposto a tirar tudo de Mia e sua mãe, para que possa restabelecer os próprios negócios. O problema é que nem uma ou outra sabe onde está todo esse dinheiro e a única solução é um casamento às pressas, para assim o milionário Constantini conseguir receber uma boa herança antes do prazo.

Lukas Constantini foi um péssimo adolescente e ao entrar na fase adulta nada melhorou. O garoto só dava problemas e a mãe, antes de falecer, resolveu tomar uma medida extrema. Deixou um testamento bem gordo, mas que só poderia ser acessado quando ele completasse os 30 anos ou casasse. Após a morte da matriarca o jovem tomou as rédeas da vida e resolveu assumir a empresa da família. Tudo estava indo bem, até agora.

É em uma medida estrema que Lukas e Mia resolvem casar. Não há amor, carinho ou paixão. Apenas um contrato para beneficiar ambos. Mia e a família estariam livres de denuncias ou processos e Lukas teria a herança, conseguindo reerguer a empresa. Dois atores atuando em seus respectivos papéis, apenas duas assinaturas em um contrato.

Porém, o que pode acontecer quando sentimentos não programados se tornam grandes demais para serem controlados? Era apenas um contrato, mas se transformou em uma dolorosa e irresistível história de amor.

Mia e Lukas são um eterno vai e vem. A garota tem certeza que ele nunca irá nutrir sentimentos por ela, já o empresário acredita ser totalmente errado querer ter algo com Mia, afinal, ele a envolveu nesse casamento por cinco anos.  Por isso, o jovem vive entrando em relacionamentos de uma noite, para tentar esquecer a esposa.

A jovem foi para a faculdade e para tentar esquecer mais uma de tantas brigas, acaba afundando os problemas nas drogas. Este é um de tantos problemas que vemos ao longo das páginas.

Mas, ao fim do terceiro volume, temos diversas surpresas. Como amei o desfecho desse casal. Além disso, a trilogia completa vem com um capítulo extra de natal. Tudo muito lindo! Simplesmente adorei a ideia da autora.

A escrita da Juliana é totalmente envolvente, tanto que finalizei a leitura dos três volumes em menos de 72 horas. No começo achei meio bizarro toda à situação em que a Mia se meteu e ainda mais como ela apaixonou-se por Lukas. Porém, no segundo volume, quando ela já está mais velha, a ideia foi ficando ok. No fim das contas já estava torcendo pelo casal e revirando os olhos quando algo dava errado entre eles.

Preciso ressaltar que há cenas de sexo, é um romance com algumas partes mais picantes. Então, se você não curte esse tipo de leitura, pode passar. Para quem quer se aventurar, é uma ótima opção, pois não é tão pesado e não são tantas cenas assim. Adorei e já irei procurar mais livros da autora.

A trilogia está disponível por meio do Kindle Unlimited e os preços dos e-books também são bem acessíveis. Obra recomendada!

E ai, ficou curioso com esse enredo?
Continue Lendo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Luna Literária • 2017 Ilustração: Matheus Izaldo | Feito com amor por: Lariz Santana