15.7.18

Todo dia, de David Levithan

Júlia Raquel

“Queria que o amor conquistasse tudo. Mas o amor não conquista tudo. Ele não pode fazer nada sozinho. Ele depende de nós para conquistar em seu nome”.

Todo dia
DAVID LEVITHAN
280 páginas
Romance
Galera Record
Onde comprar: Amazon
Avaliação: 3.5🌟’s


Neste novo romance, David Levithan leva a criatividade a outro patamar. Seu protagonista, A, acorda todo dia em um corpo diferente. Não importa o lugar, o gênero ou a personalidade, A precisa se adaptar ao novo corpo, mesmo que só por um dia. Depois de 16 anos vivendo assim, A já aprendeu a seguir as próprias regras: nunca interferir, nem se envolver. Até que uma manhã acorda no corpo de Justin e conhece sua namorada, Rhiannon. A partir desse momento, todas as suas prioridades mudam, e, conforme se envolvem mais, lutando para se reencontrarem a cada 24 horas, A e Rhiannon precisam questionar tudo em nome do amor.

Já imaginou acordar todo dia em um corpo diferente? Aparência, família, amigos, escola. Tudo novo, todos os dias, assim que abrir os olhos. Você não pode fazer planos para o amanhã, sonhar em cursar a graduação dos sonhos, ter um relacionamento, ver um cachorro crescer e até mesmo ter que se despedir. Diariamente você é uma nova pessoa. Sempre a mesma idade e nunca tão longe do corpo visitado. Essa é a realidade de A.

Ter que lidar com tantos sentimentos diferentes, e até mesmo vícios, é uma das tarefas mais difíceis da vida de A. Mas, após tantos anos sendo um hospedeiro rapidamente, tudo isso já virou costume. A principal regra é viver a vida normalmente, não interferir e muito menos deixar um rastro.

Mas, isso muda drasticamente quando ele acorda no corpo de Justin e conhece Rhiannon, a namorada. Com uma olhada rápida nas memórias do garoto, A já pode perceber o quão otário esse corpo consegue ser e por isso resolve dar um dia completamente alegre para a jovem. O que ele não esperava é se apaixonar por ela.

Nos dias seguintes ele acorda como Leslie, depois Skylar e muitos outros corpos. Mas, dessa vez tem algo que não muda, Rhinnon não sai da sua cabeça. Seria possível viver uma história de amor ao lado dessa garota? Ela estaria disposta a romper todas as barreiras imagináveis e se apaixonar pelo interior, e não os diferentes exteriores?

“Não sei como isso funciona, nem o porquê. Parei de tentar entender há muito tempo. Nunca vou compreender, não mais do que qualquer pessoa normal entenderá a própria existência. Depois de algum tempo é preciso aceitar o fato de que você simplesmente existe”.

O autor David Levithan conseguiu me deixar intrigada com toda essa estória. Por que A acorda diariamente em um corpo diferente? Essa é uma das tantas perguntas não respondidas pelo escritor e que me deixou bem decepcionada. Além disso, achei a Rhiannon um verdadeiro pé no caso em diversos momentos da leitura. Haja paciência!

O que salvou de fato foi o A e toda a mensagem que ele traz. A vida poderia ser muito mais simples sem tantas categorias, afinal, nós somos todos iguais. Gênero, sexualidade, cor, nada disso importa. Somos iguais, cada um com suas particularidades que nos fazem ser ao mesmo tempo, diferentes. O interno é o mais importante, o exterior não.

“Enquanto cochilamos, sinto uma coisa que nunca senti. Uma proximidade que não é apenas física. Uma conexão que desafia o fato de que acabamos de nos conhecer. Um sentimento que só pode vir da mais eufórica das sensações: a de pertencer a alguém”.

A escrita do autor é bem simples e a leitura flui rapidamente. Além disso, é impossível não grifar diversos trechos ao longo das páginas. Levithan soube criar lindos diálogos em todos os capítulos. Mas, senti falta de algo. Simplesmente não sei. Recomendo o livro porque ele não é ruim, e muita gente ama essa estória, porém para mim não funcionou.

Para quem desconhece a adaptação do livro sai ainda este mês no Brasil, no dia 26/7. Eu já assisti e confesso, gostei muito mais do filme. Diversos pontos estão diferentes, mas mesmo assim, achei melhor.

Agora, chegou o seu momento de contar o que acha dessa leitura? E, para aqueles que ainda não leram, quero saber se ficou curioso? Beijos e até mais.
Continue Lendo

2 comentários:

  1. Oi
    Eu gostei bastante desse livro mas achei que ele não era tudo isso que as pessoas diziam. Não senti nada de especial, e não me emocionei ao ponto de achar a narrativa espetacular, só não gostei mesmo do final que ficou muito em aberto.
    Beijos
    http://www.suddenlythings.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Miriã, tudo bem? Menina foi a mesma coisa comigo. Eu depositei muita expectativa com a obra, pois é um livro queridinho para muitas pessoas, e foi meio decepcionante. Achei a ideia fantástica, mas de fato são muitas as pontas soltas. Para mim, como dito na resenha, o que salva é a mensagem da estória.

      Semana passada eu li que vai sair a continuação, intitulada Someday. Acredito ser esse o motivo das poucas respostas e daquele final. Porém, não sei se animo a ler uma sequência. Vamos ver rs

      Muito obrigada pelo comentário e até mais. Beijos!

      Excluir

Luna Literária • 2017 Ilustração: Matheus Izaldo | Feito com amor por: Lariz Santana