7.3.19

Capitã Marvel apresenta heroína como protagonista

Júlia Raquel
Foto: divulgação



Capitã Marvel

Elenco: Brie Larson, Samuel L. Jackson, Jude Law
Duração: 122 min
Produção EUA, 2019
Direção Anna Boden e Ryan Fleck

A história acompanha Carol Danvers conforme ela se torna uma das heroínas mais poderosas do universo no momento em que a Terra se vê no meio de uma batalha galática entre duas raças alienígenas. Ambientado nos anos 1990, Capitã Marvel é uma aventura completamente nova de um período nunca visitado da história do Universo Cinematográfico da Marvel.

É do nosso conhecimento que quando se fala em filmes de heróis logo já vêm em mente os estúdios Marvel. São diversas produções, entre eles quadrinhos, séries e filmes, que se interligam ao longo dos capítulos. Mas, para aqueles mais ligados nas HQs, já era de entendimento a falta de uma personagem em todo esse universo. Sim, estamos falando da Capitã Marvel.

Logo depois do sucesso de “Mulher Maravilha”, da concorrente DC, foi à vez da Marvel dar destaque para uma protagonista mulher nas telinhas. E, em minha humilde opinião, conseguiu fazer isso de maneira incrível.

O filme nos conta uma história até então desconhecida o que deixa margem para o telespectador não entender alguns pontos, por exemplo. Isso, de fato, não acontece no longa. Com todas as cenas e acontecimentos muito bem amarrados, o roteiro inova ao inserir flashbacks que nos ajudam a compreender melhor a vida da protagonista.

Algumas dúvidas foram respondidas, como de onde surgiu o termo ‘Vingadores’, o porquê do nome Capitã Marvel e o mais importante, como Nick Fury perdeu um olho. Este último também merece muito destaque. Com uma atuação já conhecida, Samuel L. Jackson nos entrega um Fury engraçado, descontraído e nos mostra como o personagem se tornou quem é. Quem também merece reconhecimento, pasmem, é Goose, o gato que rouba a cena em diversos momentos e se mostra muito mais útil do que o imaginado. Se prepare, pois várias risadas estão garantidas com o felino.

Já a trilha sonora nos transporta para os anos 90 com direito a “Come as you are” do Nirvana e “Just a Girl” de No Doubt. Os efeitos especiais (área que eu particularmente não domino bem) também estão ótimos, inclusive valendo a pena assistir ao longa em 3D.

Mas, por outro lado, nem tudo são acertos e o filme peca ao não explorar mais a guerra Kree-Skrull. Talvez mais cenas sobre isso dariam um gostinho maior de aprovação. Claro, isso é apenas um detalhe que não chega a incomodar, talvez apenas os mais apaixonados pelas diversas teorias do MCU. Eu particularmente ia curtir mais pancadaria para este lado.

Ao contrário do que muitas críticas têm falado, Brie Larson (O quarto de Jack) brilha como a heroína. Debochada, mas ao mesmo tempo confiante e segura de si, a garota sabe para o que veio e não tem medo de testar os próprios limites, assim como as outras personagens femininas do filme.

Algumas cenas merecem destaque, pois confesso, me deixaram orgulhosa de mais uma vez conferir o protagonismo feminino por meio de heróis. Diversos flashbacks mostram a personagem caindo, escutando que não é capaz de realizar algo ou até mesmo ser muito emotiva, porém nunca desistindo. A mensagem é importante, sentimentos e sensibilidade não são um problema, isto não nos torna o sexo frágil. Recado dado em?!


Homenagem a Stan Lee
Como já era esperado logo no início do filme os produtores realizaram uma homenagem a Stan Lee. A já conhecida abertura da Marvel com os heróis deu lugar a imagens das participações dele ao longo de diversas produções. Além disso, a participação de praxe do quadrinista também acontece. Em uma cena importante no trem, quando Danvers está à procura de um Kree, ela confere se ele realmente é um humano. Não preciso dizer que o coro com “own” no cinema foi real né?

Cenas pós-créditos
O filme conta com duas cenas pós-credito, a primeira interliga Capitã Marvel a “Vingadores: Ultimato” e a segunda, após todos os créditos do longa subirem, é a vez do gato Goose roubar a cena mais uma vez.


No ano passado, o final de “Vingadores: Guerra Infinita” mostrou metade da população mundial sendo transformada em cinzas pelo vilão Thanos. Agora, para a sequência da série, é esperado que ela, Capitã Marvel, ganhe ainda mais destaque e ajude os vingadores nesta batalha. Ou seja, é sua obrigação assistir a este filme para conseguir compreender melhor este próximo. Fica ligado e não perde a oportunidade prestigiar ainda no cinema  em!

Confira o trailer do filme:

Continue Lendo

Um comentário:

Luna Literária • ONLINE DESDE 2017 Feito com amor por: Lariz Santana