11.10.19

Trechos favoritos: Vox

Júlia Raquel
Foto: Luna literária




Vox
CHRISTINA DALCHER
320 páginas
Ficção, Distopia
Editora Arqueiro

O governo decreta que as mulheres só podem falar 100 palavras por dia. A Dra. Jean McClellan está em negação. Ela não acredita que isso esteja acontecendo de verdade.
 
Esse é só o começo...
 
Em pouco tempo, as mulheres também são impedidas de trabalhar e os professores não ensinam mais as meninas a ler e escrever. Antes, cada pessoa falava em média 16 mil palavras por dia, mas agora as mulheres só têm 100 palavras para se fazer ouvir.
 
...mas não é o fim.
 
Lutando por si mesma, sua filha e todas as mulheres silenciadas, Jean vai reivindicar sua voz.


Já pensou uma sociedade em que nós mulheres não temos poder sobre as próprias escolhas? Arrancadas de nossas realidades para servir exclusivamente aos maridos e filhos? Impedidas de ter a própria voz? E, principalmente, restringidas a falar apenas 100 palavras por dia?
É exatamente nessa realidade que se passa o livro Vox, da autora Christina Dalcher, publicado aqui no Brasil pela Editora Arqueiro. Capaz de levar os leitores ao delírio por nos fazer pensar nesta possibilidade, hoje, trago a vocês os meus trechos favoritos da obra:
❌ “Vocês não fazem ideia, senhoritas. Absolutamente nenhuma ideia. Estamos a um passo de voltar à pré-história, meninas. Pensem nisso. Pensem onde vocês vão estar, onde suas filhas vão estar, quando os tribunais atrasarem os relógios. Pensem em expressões como "permissão do cônjuge" e "consentimento paterno". Pensem em acordar um dia e descobrir que não têm voz em nada”.
❌ “Minha culpa começou há décadas, na primeira vez que não votei, nas vezes incontáveis em que disse a Jackie que estava ocupada demais para ir a uma de suas passeatas, fazer cartazes ou ligar para meus congressistas”.
❌ “- Há uma resistência? - Querida, sempre há uma resistência”.

❌ “A única coisa necessária para o triunfo do mal é que os homens bons não façam nada”.
❌ “ - (…) É uma organização com enorme peso religioso. - Jackie se inclinou pela janela, para ver melhor.
- E são principalmente homens. Homens conservadores que amam seu Deus e seu país. - Ela suspirou.
- As mulheres, nem tanto”.
❌ “Às vezes eu refletia sobre isso, sobre como as crianças podem se transformar em monstros, como aprendem que matar é certo e a opressão é justa, como em uma única geração o mundo pode mudar tanto até ficar irreconhecível”.
Gostou? Quem por ai já leu esse livro, curtiu a experiência?

Continue Lendo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Luna Literária • ONLINE DESDE 2017 Feito com amor por: Lariz Santana