24 abril 2020

Nunca jamais, de Colleen Hoover & Tarryn Fisher

Foto: Luna literário

Nunca Jamais
COLLEEN HOOVER & TARRYN FISHER
Trilogia
480 páginas
Romance
Galera Record

Charlie Wynwood e Silas Nash são melhores amigos desde pequenos. Mas, agora, são completos estranhos. O primeiro beijo, a primeira briga, o momento em que se apaixonaram... Toda recordação desapareceu. E nenhum dos dois tem ideia do que aconteceu e em quem podem confiar.

Charlie e Silas precisam trabalhar juntos para descobrir a verdade sobre o que aconteceu com eles e o porquê. Mas, quanto mais eles aprendem sobre quem eram, mais questionam o motivo pelo qual se juntaram no passado.

Já imaginou acordar e não lembrar de absolutamente nada da sua vida? É exatamente isso que acontece com Charile e Silas. O casal de adolescentes era melhores amigos durante a infância, logo se apaixonaram e agora são completos estranhos. Cada detalhe de suas vidas simplesmente desapareceu.

Sem ter ideia do que pode ter acontecido e sem poder confiar em ninguém, os jovens embarcam em uma jornada na busca por respostas e logo descobrem muito mais sobre eles mesmos e os segredos que envolvem suas famílias. Juntos ambos precisam se reencontrar dentro da própria história.

“Prefiro confiar em versões de nós mesmos de que não nos lembramos do que em pessoas que sequer conhecemos”.

Eu li esses livros lá em 2018 e de acordo com as minhas anotações, logo após finalizar a leitura do primeiro e segundo volume a minha reação foi: “Não vou negar, essa foi a história mais fraca da CoHo até o momento. A obra despertou o meu interesse, devorei as poucas páginas e quero logo ler a sequência, mas  mesmo assim, não consigo imaginar qual será o desfecho desses personagens”.

Na época a conclusão da história ainda não havia sido publicada por aqui e eu resolvi esperar. Agora posso afirmar que o último volume também é bom, mas tem um final meio apressado, como se as autoras não soubessem muito bem o que fazer. Vale ressaltar que a grande revelação, somada a algumas pontas soltas, podem incomodar alguns leitores, mesmo com toda a pegada apaixonante que os personagens possuem.

Mesmo assim, considero que é uma leitura bem gostosa e fácil de realizar. Com o romance que a Colleen Hoover adora e umas pitadas bem emocionantes da Tarryn. A minha única queixa é terem dividido em três edições, totalmente desnecessário, visto que cada uma delas possui poucas páginas.

Alguém por aqui já leu e compartilha da mesma opinião? Há quem discorde? Vamos conversar!
23 abril 2020

23 de abril: dia internacional do livro

Foto

Hoje, 23 de abril, é comemorado o dia internacional do livro e claro que eu não poderia deixar de vir aqui registrar todo o meu amor .
É por meio da leitura que visitamos os mais diferentes mundos e vivemos diversas aventuras. Eu por exemplo já fui princesa, feérica, bruxa, me envolvi nas mais pesadas intrigas políticas, fiz viagens até Marte, descobri como controlar fogo e o vento, encarei a vida pós-apocalíptica, fui um cachorro em busca do seu amado dono, de quebra ainda desvendei milhares de assassinatos e claro, vivi muitos amores.

Foto: Luna literária
São muitas histórias, umas mais marcantes que as outras, até por que foram muitos livros lidos nos últimos anos, mais de 300 leituras. Sei que muitas outras ainda me aguardam, pois mesmo em tempos mais conturbados, não consigo deixar este hábito de lado.
Eu amo ler!

Agora vamos ter aquela conversa: o que os livros significam para você?
22 abril 2020

Livro que virou série: Confesse

Quem me acompanha há alguns anos aqui no blog sabe como eu amei a leitura de Confesse, da Colleen Hoover. Na época eu não conseguia falar de outra coisa e o maior desejo era ler logo outros livros da autora.


Agora, vocês imaginam a minha surpresa e curiosidade ao descobrir que há uma adaptação dessa história. Sim, Confesse virou uma série. Se você assim como eu não tinha se quer ideia dessa informação, se liga neste post, pois apresento aqui um review de Confess”.

Foto: Unsplash

Confess
ELISSA DOWN
Katie Leclerc, Ryan Cooper & outros
Drama e Romance, 2017
7 episódios de 23 min

Auburn Reed está determinada a deixar seu passado desafiador para trás e colocar seu futuro nos trilhos. Agora com vinte e seis anos e em uma batalha pela custódia de seu único filho, ela se depara com o estúdio de arte do talentoso e charmoso artista Owen Gentry. Os dois lutam com seu romance em desenvolvimento e os segredos que ambos mantêm até perceberem que podem arriscar seu futuro se não revelarem seu passado.


Assim como no livro, a série retrata a vida de Auburn Reed, uma que jovem perdeu tudo o que julgava ser importante em sua vida: o primeiro amor adolescente, as oportunidades de cursar o ensino superior e a guarda do próprio filho. Agora, mais madura, ela precisa se manter focada e reconstruir a vida.

Como o destino não dá nó solto, logo ela conhece Owen Gentry, um artista que pinta confissões deixadas por de baixo da porta de seu ateliê. Logo eles se envolvem em uma gigantesca atração, mas, alguns segredos podem colocar a prova tudo o que Auburn ama. Será preciso tomar difíceis decisões.

“Altruísmo. Isso deve ser a base de qualquer relacionamento. Se uma pessoa realmente se importa com você, ela terá mais prazer com o que faz você sentir, do que com a maneira que você o faz se sentir”.

Essa história é totalmente envolvente e fantástica do início ao fim. Por isso, logo pensei, será que eles vão conseguir fazer uma adaptação fiel? Pois eu conto a vocês: sim! De longe essa é uma das adaptações mais fiéis ao livro que já assisti e acredito que o número pequeno de episódios contribuiu para isso.

Assim como as páginas do livro, as cenas da série também são bem emocionantes e passam voando. É o tipo de entretenimento para assisti logo em um dia, visto que cada capítulo tem em média apenas 20 minutos.

Ressalto aqui também que para mim a escolha dos atores foi perfeita, exatamente como imaginei na época em que li a obra. Katie Leclerc (Auburn) e Ryan Cooper (Owen) dão vida de maneira espetacular  esses personagens. 

Ah, vale destacar que assim como Jenny Hann em Para todos os garotos que já amei da Netflix, por aqui a autora Colleen Hoover também dá as caras em uma cena. Fofa!

Assista ao trailer oficial:



Agora vamos bater aquele papo aqui nos comentários: você já sabia da existência dessa adaptação? Quem já assistiu, gostou?
21 abril 2020

Resenha: Todas as suas (im) perfeições, de Colleen Hoover

Foto: Luna literária




Todas as suas (im) perfeições
COLLEEN HOOVER
304 páginas
Romance
Galera Record

Uma história de amor perfeita é suficiente para manter vivo o casamento entre duas pessoas imperfeitas?
 
O acaso uniu Quinn e Graham duas vezes. A primeira delas, no que consideraram o pior dia de suas vidas, quando ela descobriu às vésperas do casamento que estava sendo traída pelo noivo e ele, pela namorada que pretendia pedir em casamento. A segunda, meses depois, em meio a encontros ruins.
 
Deste reencontro surgiu um amor profundo e um relacionamento perfeito... ou talvez nem tanto. Com o passar dos anos e a frustração por não conseguirem ter filhos, Quinn e Graham acumularam silêncios e desconfianças. O casal se encontra no centro de um furacão, e seu futuro depende das promessas feitas quando o casamento ainda parecia uma praia paradisíaca.

A história deste livro tem início com Quinn retornando de uma viagem, a caminho do apartamento de seu noivo para uma surpresa. Logo no prédio a jovem esbarra com um conturbado homem, Graham, que está no ápice da própria raiva, pois acaba de descobrir que a namorada está o traindo.

A partir dai você já consegue imaginar não é mesmo? A namorada dele e o noivo dela estão juntos. Mas, o destino mostra que não brinca e mesmo em uma situação delicada como esta, ainda reserva o melhor para ambos. Meses depois os caminhos de Graham e Quinn se cruzam, a química é intensa e logo um amor nasce.

Agora casados eles precisam superar a aparente infertilidade de Quinn, a frustração de Graham por não poder adotar e todos os problemas que isto reflete na vida a dois. Seria possível salvar um casamento que estava destinado a felicidade? 

“Quando conhecer alguém bom, ele não vai encher você de insegurança, focando em seus defeitos. Vai encher você de inspiração, porque vai iluminar suas qualidades”.

“Todas as suas (im) perfeições” é o tipo de história que logo você já saca como será o meio e o fim, só vamos acompanhando o desenrolar e é exatamente ai que Colleen Hoover surpreende, por que meus amigos que desfecho é esse? Eu ri e chorei (lê-se: chorei MUITO), uma verdadeira mistura de sentimentos.

A verdade é que eu amei essa história e aposto dizer que este é o melhor livro da CoHo – claro, entre os que eu já li. Os personagens são capazes de nos fazer sentir empatia desde o primeiro capítulo até o último. E, para coroar e finalizar a obra com chave de ouro, a autora nos apresenta um plost twist de arrepiar e até mesmo fazer o leitor soltar aquele gritinho de surpresa.

Mais uma vez finalizo essa leitura com aquele gostinho de quero mais. Espero em breve poder ler o mais novo lançamento da autora aqui no Brasil, “Verity”.

Agora me conta aqui nos comentários, você já leu essa história? Ficou curioso? Vamos bater um papo 😎😘
26 janeiro 2020

Resenha: As mil partes do meu coração, de Colleen Hoover

Foto: Luna literária

As mil partes do meu coração
COLLEEN HOOVER
336 páginas
Jovem Adulto
Editora Galera Record

Para Merit Voss, a cerca branca ao redor da sua casa é a única coisa normal quando o assunto é sua família, peculiar e cheia de segredos. Eles moram em uma antiga igreja, batizada de Dólar Voss. A mãe, curada de um câncer, mora no porão, e o pai e o restante da família, no andar de cima. Isso inclui sua nova esposa, a ex-enfermeira da ex-mulher, o pequeno Moby, fruto desse relacionamento, o irmão mais velho, Utah, e a gêmea idêntica de Merit, Honor. E, como se a casa não tivesse cheia o bastante, ainda chegam o excêntrico Luck e o misterioso Sagan. Mas Merit sente que é o oposto de todos ali.
Além de colecionar troféus que não ganhou, Merit também coleciona segredos que sua família insiste em manter. E começa a acreditar que não seria uma grande perda se um dia ela desaparecesse. Mas, antes disso, a garota decide que é hora de revelar todas as verdades e obrigá-los a enfim encarar o que aconteceu. Mas seu plano não sai como o esperado e ela deve decidir se pode dar uma segunda chance não apenas à sua família, mas também a si mesma. As mil partes do meu coração mostra que nunca é tarde para perdoar e que não existe família perfeita, por mais branca que seja a cerca.

Os Voss são totalmente odiados na cidade. Isso porquê a família mora em uma antiga igreja e o padre não mede esforços para propagar a palavra do ódio contra eles. Sim, você leu certo. Se tudo isso ainda não fosse suficiente, a história do grupo é pra lá de absurda.

O pai de Merit teve um caso logo quando a esposa estava travando uma difícil luta contra um câncer. A traição, com a enfermeira, gerou uma criança e atualmente todos vivem na mesma casa. Utah, o filho mais velho; Merit e Honor, as gêmeas; Moby, o filho do relacionamento extraconjugal; o pai, a madrasta e a mãe – esta última que vive no porão da igreja, isolada de todos.

Como se já não fossem muita gente dividindo o mesmo espaço, o então namorado de Honor, Sagan, também se muda para a igreja e logo depois é a vez de Luck, irmão da madrasta, chegar a Dólar Voss. O peso dos segredos dessa família estão a ponto de esmagar a todos e Merit não consegue lidar com toda essa situação. A jovem logo percebe que ninguém a nota e que não faria diferença alguma na vida daquelas pessoas se ela partisse.

"Gosto de você o bastante para te beijar. Pode acreditar. Mas queria que você pudesse gostar de si mesma tanto quanto gosto de você".

Sabe aquela leitura que você não sabe se gostou? Eu me sinto assim quanto a este livro. Não me entendam mal, vocês sabem que eu sou apaixonada pelas histórias da CoHo, porém, com esta obra toda essa paixão não rolou. A escrita da autora continua fantástica, ela conseguiu me entreter de uma maneira absurda, do tipo que finalizei as páginas em poucos dias. Mas, não morri de amores.

Por vezes achei alguns personagens totalmente insuportáveis. Sério, o que era a irmã gêmea da Merit? A vontade de entrar na história e socar a cara dela, do irmão mais velho e dela mesma eram gigantescas. Acredito que despertar este tipo de sentimento do leitor foi exatamente o que a Colleen desejava, assim entendendo um pouco mais dos sentimentos da personagem.

Este, assim como todos os livros da autora, não é só mais um romance. Ela trata de assuntos extremamente importante e entre eles a depressão. Já no início da história eu saquei que este seria o assunto tema por aqui. A Merit não é o tipo de personagem que fica triste o tempo todo e com isso CoHo mostra o que muitos ainda não sabem: ter depressão não é sinônimo de sempre estar triste. É uma doença silenciosa. Em um dia ela está alegre, feliz e se divertindo, mas no próximo deprimida em saber ao certo o que faz por aqui. Neste ponto Hoover mais uma vez foi fantástica.

Deixo aqui um destaque para a incrível edição da Galera Record. Mesmo tendo uma tradução do título da obra péssima, e que muito foi criticada pelos leitores, o encaixe dos desenhos citados na obra, ao fim das páginas, são perfeitos. Por vezes me vi indo ao fim do livro para conferir como Sagan havia desenhado tal cena.

E ai, você já leu esse livro da CoHo? Qual foi a sua opinião sobre ele? Vamos conversar!
Luna Literária • ONLINE DESDE 2016 Feito com amor por: Lariz Santana