17.10.18

Tema do mês: pós apocalíptico #2

Júlia Raquel
Foto: Luna literária

Série de livros: The Walking Dead
ROBERT KIRKMAN & JAY BONANSINGA
Ficção
Galera Record
Onde comprar? Amazon

Sinopse: No universo de The Walking Dead não existe vilão maior do que o Governador, o déspota que comanda a cidade de Woodbury. Ele é o personagem mais controvertido em um mundo dominado por mortos-vivos. Neste romance os fãs descobrirão como ele se tornou esse homem e qual a origem de suas atitudes extremas. Para isso, é preciso conhecer a história de Phillip Blake, sua filha Penny e seu irmão Brian que, com outros dois amigos, irão cruzar cidades desoladas pelo apocalipse zumbi em busca da salvação.


Você sabia que The Walking Dead não é apenas uma série de Tv? Isso mesmo, a história do policial Rick Grimes é baseada nos quadrinhos homônimos de Robert Kirkman. E, recentemente, com o sucesso da adaptação, uma série de livros também foi lançada, mas diferente das outras obras, essa aborda personagens diferentes nesse mundo pós-apocalíptico.

“Mares calmos não fazem um bom marinheiro”.

Pensada para ser uma trilogia, a série de livros iria contar mais sobre a vida do vilão Governador, o antes, depois e como ele virou o líder da cidade Woodbury. Para isso é necessário apresentar a história de Phillip Blake, o irmão Brian e a própria filha Penny, que cruzaram cidades e mais cidades em busca da salvação.

No meio de tudo isso outros personagens são inseridos, sendo um deles Lilly Caul, uma jovem que deseja apenas um refúgio seguro dos errantes. “O caminho para Woodbury”, “A queda do governador” e “A queda do governador: parte 2” vão retratar todo o trajeto até o fim já conhecido pelos telespectadores da série do tão temido Governador.

A partir daí mais volumes foram surgindo, sendo eles “Declínio”, “Invasão”, “Busca e destruição” e o mais novo lançamento da @galerarecord “Retorno para Woodbury”, que abordam como os habitantes da cidade conseguiram resurgir das cinzas e enfrentar hordas e mais hordas de errantes.

“Ele aprendeu o que é o amor. Significa ter medo e se sentir vulnerável pelo resto da vida”.

A escrita dos autores Robert Kirkman e Jay Bonansinga é ótima e rica em detalhes. Por isso já adianto que se você não tem estômago, não leia. Diversas descrições são nojentas e em alguns momentos de arrepiar. Eu ainda não li os dois últimos volumes, mas confesso que estou bem curiosa.

Aproveito para deixar aqui o questionamento: vocês gostariam de ver a resenha dos livros anteriores? Vou adorar escrever postagens sobre esses livros, confesso. Beijos e até o próximo post!

Continue Lendo
16.10.18

A bruxa não vai para a fogueira neste livro, de Amanda Lovelace

Júlia Raquel
Foto: Luna literária

A bruxa não vai para a fogueira neste livro
Women are some kind of magic #2
AMANDA LOVELACE
208 páginas
Poesias & poemas
Editora Leya
Onde comprar? Amazon
Avaliação: 5🌟’s

Aqueles que consideram “bruxa” um xingamento não poderiam estar mais enganados: bruxas são mulheres capazes de incendiar o mundo ao seu redor. Resgatando essa imagem ancestral da figura feminina naturalmente poderosa, independente e, agora, indestrutível, Amanda Lovelace aprofunda a combinação de contundência e lirismo que arrebatou leitores e marcou sua obra de estreia, "A princesa salva a si mesma neste livro", cujos poemas se dedicavam principalmente a temas como relacionamentos abusivos, crescimento pessoal e autoestima. Agora, em "A bruxa não vai para a fogueira neste livro", ela conclama a união das mulheres contra as mais variadas formas de violência e opressão. Ao lado de Rupi Kaur, de "Outros jeitos de usar a boca" e "O que o sol faz com as flores", Amanda é hoje um dos grandes nomes da nova poesia que surgiu nas redes sociais e, com linguagem direta e temática contemporânea, ganhou as ruas. Seu "A bruxa não vai para a fogueira neste livro" é mais do que uma obra escrita por uma mulher, sobre mulheres e para mulheres: trata-se de uma mensagem de ser humano para ser humano – um tijolo na construção de um mundo mais justo e igualitário.

Neste segundo volume da série “Women are some kind of magic”, Amanda Lovelace traz como tema principal o feminismo e dá voz a todas as mulheres, novamente. Ela dá voz a todas as mulheres que sofreram para nos dar um futuro melhor; àquelas que lutam diariamente por nossos direitos e que tentam com muito esforço libertar a sociedade desse machismo sem escrúpulos.

A autora dá voz aos nossos gritos de socorro e revolta. Ela também aborda como é importante a união feminina para combater todas as formas de violência e opressão, afinal, juntas somos muito mais fortes.

Aqui as bruxas são sinônimos de mulheres que podem fazer o que bem entendem, capazes de incendiar o mundo ao seu redor. Nestas páginas a palavra bruxa não é um xingamento, tem um significado diferente, orgulho por todo caminho trilhado.

“pronto para uma
Verdade dura?

as mulheres
não precisam
da sua validação.

Nós
já temos
a nossa própria.”

Eu realmente não sei se consigo transmitir em palavras tudo o que esse livro significou para mim. Acabei tendo a oportunidade de lê-lo em um momento bem delicado e posso afirmar com toda a certeza que essas páginas me ajudaram a enxergar o quão tóxicas algumas pessoas podem ser. Vi acontecimentos e sentimentos da minha vida ali naqueles poemas. É maravilhoso quando um livro nos causa essa sensação.

Destaquei tantos poemas que as lombadas internas ficaram parecendo um arco-íris. Às vezes, quando estou sentada no meu quarto pensando na vida, gosto de pegar meu exemplar e reler esses trechos que me marcaram. Amanda Lovelace conseguiu traçar um caminho direto para o meu coração. Obra mais do que recomendada, essencial.

“Ser uma
mulher
é estar
pronta para a guerra,

sabendo
que todas as probabilidades
estão
contra você.
– & nunca desistir apesar disso.”

E ai, você ficou curioso com essa leitura? Para aqueles que já leram, gostaram tanto quanto eu ou compartilham de uma opinião diferente? Beijos e até a próxima!
Continue Lendo
8.10.18

Wrap up: setembro

Júlia Raquel
Foto: Luna literária

Setembro acabou e com eles se foram ótimas leituras. Eu não sei ao certo o motivo, mas depois de janeiro, foi o mês do ano em que mais li. Não faz muito sentido. Janeiro a gente até entende, pois há férias da faculdade e mais tempo livre. Porém, setembro?

No sétimo mês de 2018 eu conclui um total de 11 livros. Isso mesmo podem ficar espantados junto comigo. Desses seis foram e-books e cinco físicos. Acho que pode estar ai a resposta que procuramos. Estou otimizando mais o meu tempo e aproveitando cada lacuna livre do dia para ler. Não foi a toa que até resolvi comprar o meu kindle, em setembro.

Além de tantas leituras, eu também bati a minha meta anual de 60 leituras. Uhu! E, até o presente momento, já li 68 livros. Não sei vocês, mas acho que já amo esse mês.

Agora ok, sem mais papo furado, vamos as minhas leituras do mês 7:

A princesa salva a si mesma neste livro, de Amanda Lovelace e editora Leya (4🌟's)

A conquista, de Elle Kennedy e editora Paralela (5🌟's+)

Textos cruéis demais para serem lidos rapidamente, da editora Globoalt (3🌟's)

Jornalismo literário. de Felipe Pena (4🌟's)

3096 dias, de Natascha Kampusch e editora Verus (5🌟's)

Literalmente amigas, de Laura Conrado, Marina Carvalho e editora Bertrand Brasil (3🌟's)

Todo dia a mesma noite, de Daniela Arbex e editora Intrínseca (5🌟's)

Meu coração e outros buracos negros, de Jasmine Warga e editora Rocco (4🌟's)

Seja o amor da sua vida, de Guilherme Pinto e editora Planeta de livros (4.5🌟's)

O lado feio do amor, de Colleen Hoover e Galera Record (4.5🌟's)

Um caso perdido, de Colleen Hoover e Galera Record (4🌟's)

E essas foram as minhas últimas leituras. Me contem aqui nos comentários como foi o mês de setembro para vocês ou se já leram alguns desses livros. Beijos e até o próximo post!
Continue Lendo
2.10.18

A princesa salva a si mesma neste livro, de Amanda Lovelace

Júlia Raquel

“A princesa pulou da torre 
& ela aprendeu que podia voar
desde o começo.”

A princesa salva a si mesma neste livro 
AMANDA LOVELACE
Women are some kind of magic #1
208 páginas
Poesias & poemas
Leya
Onde comprar? Amazon
Avaliação: 4🌟’s

Amor e empoderamento em versos que levam os contos de fada à realidade feminina do século XXI A princesa salva a si mesma neste livro, de Amanda Lovelace, é comparado ao fenômeno editorial Outros jeitos de usar a boca, de Rupi Kaur, com o qual compartilha a linguagem direta, em forma de poesia, e a temática contemporânea. É um livro sobre resiliência e, sobretudo, sobre a possibilidade de escrevermos nossos próprios finais felizes. Não à toa A princesa salva a si mesma neste livro ganhou o prêmio Goodreads Choice Award, de melhor leitura do ano, escolha do público. Esta é uma obra sobre amor, perda, sofrimento, redenção, empoderamento e inspiração. Dividido em quatro partes ("A princesa", "A donzela", "A rainha" e "Você"), o livro combina o imaginário dos contos de fada à realidade feminina do século XXI com delicadeza, emoção e contundência. Amanda, aclamada como uma das principais vozes de sua geração, constrói uma narrativa poética de tons íntimos e cotidianos que acolhe o leitor a cada verso, tornando-o cúmplice e participante do que está sendo dito.

Com muita amor, perdas, redenções, sofrimento, auto conhecimento, empoderamento, inspiração e resiliência, a autora apresenta a jornada de uma princesa que busca salvar a si mesma dessa sociedade injusta. O livro, que é dividido em quatro partes, é isso, a trajetória de uma mulher que não conhece o próprio poder e aguarda ansiosamente o dia em que alguém virá salvá-la. Será o príncipe encantado? Não, será o amor próprio e a busca pelo próprio final feliz.

“A princesa salva ai mesma neste livro” é uma obra tocante, sensível e destruidor. O livro faz com que o leitor pense sobre o sentido da vida, em como as dificuldades podem melhorar e acima de tudo, como devemos ser nosso próprio super herói. Acho importante ressaltar que a autora trata sobre assuntos como abuso sexual, bullying, luto e preconceito que podem servir sim como gatilho.

Eu nunca fui de ler poesia. Na verdade sempre tive certo receio de não conseguir entender o que o autor queria transmitir. Vejam só, que bobagem a minha. Acredito ter um momento para tudo nessa vida e a minha história com este gênero começou. Após finalizar essa leitura, sai à procura de mais. Poesia é o meu novo estilo favorito. Desejo um dia conseguir me expressar assim também. Dê a você uma chance de conhecer essas palavras.

“Se você sempre
olha para
o seu reflexo
& sente o desejo
de dizer a si mesma
 
que não é
boa o suficiente,
magra o suficiente
gostosa o suficiente,
 
então acho
que é hora
de você quebrar
esse espelho
em pedaços,
não acha?”

Mas e ai, me conta se você ficou curioso com essa estória! Para aqueles que já leram, compartilha comigo como foi à experiência. Beijos e até a próxima.


Continue Lendo
1.10.18

Literalmente amigas, de Laura Conrado e Marina Carvalho

Júlia Raquel


Literalmente amigas
LAURA CONRADO & MARINA CARVALHO
335 páginas
Ficção
Bertrand Brasil
Onde comprar? Amazon
Avaliação: 3🌟’s

Quando Gabi e Lívia, duas apaixonadas por livros, se conheceram em uma comunidade sobre literatura em uma extinta rede social, não imaginavam que se tornariam melhores amigas e que criaram um blog de resenhas literárias, o Literalmente Amigas.
 
Desde então, elas são inseparáveis, apesar das personalidades muito diferentes! Gabi é um pouco avoada, desorganizada financeiramente, de riso fácil e vive uma história de conto de fadas com o namorado de longa data. Já Lívia é assertiva, firme e possui planos bem delineados para seu futuro, embora ainda não tenha encontrado o emprego dos sonhos nem um romance arrebatador como o de seus livros favoritos.

Juntas, elas enfrentam as dificuldades da juventude, seja na profissão, seja no amor, até tudo começar a mudar quando ambas são selecionadas para a mesma vaga — para a qual as duas se inscrevem, sem contar uma para outra — na principal editora do país. Será que a paixão pelos livros, que antes unia as amigas, agora se tornará o motivo do término da amizade?

Gabi e Lívia são amigas desde que se conheceram em uma comunidade voltada para a literatura. A afinidade foi instantânea e logo o amor pelos livros havia unido às garotas. Por isso, quando a ideia de criar um blog literário surgiu, logo aconteceu. Ali nascia o Literalmente Amigas.

Anos depois as jovens já passaram por poucas e boas, mas sempre contando uma com o apoio da outra. Porém, de repente, ambas são selecionados para a mesma vaga de emprego na editora dos sonhos e não conseguem saber como lidar com toda esta situação. Será que as meninas conseguirão separar as coisas e amizade continuará inabalável?

Além da vaga de emprego, outros pontos também são explorados ao longo dos capítulos. A descoberta pessoal sobre o próprio trabalho, a coragem em ir atrás do que sempre sonhou e também dar mais oportunidades para o amor.

O livro é narrado em primeira pessoa e com capítulos que alternam entre Gabi e Lívia. Ou seja, o ponto de vista de ambas sobre um mesmo acontecimento é apresentado para o leitor diversas vezes. Ler uma obra entre uma amizade de blogueiras literárias foi fantástico.

Infelizmente o livro não foi só amores. Confesso que gostei bastante dos capítulos finais, mas considerei o começo bem arrastado e difícil. Não me levem a mal, a escrita das autoras é boa, a ideia para o enredo também, porém acho que foram muitas páginas desperdiçadas no início. Porém, passado a metade inicial, comecei a gostar e ai a leitura fluiu rapidamente para o fim.

Mas e ai, me conta se você ficou curioso com essa estória! Para aqueles que já leram, compartilha comigo como foi à experiência. Beijos e até a próxima.
Continue Lendo
30.9.18

Heroínas, de Laura Conrado & outras

Júlia Raquel
Foto: Luna literária
Heroínas
LAURA CONRADO, PAM GONÇALVES & RAY TAVARES
256 páginas
Jovem adulto
Galera Record
Onde comprar? Amazon
Avaliação: 4🌟’s

Não faltam heróis. Dos clássicos às histórias contemporâneas os meninos e homens estão por todo lugar. Empunhando espadas, usando varinhas mágicas, atirando flechas ou duelando com sabres de luz. Mas os tempos mudam e já está mais do que na hora de as histórias mudarem também. Com discussões feministas cada vez mais empoderadas e potentes, meninas e mulheres exigem e precisam de algo que sempre foi entregue aos meninos de bandeja: se enxergar naquilo que consomem. Este é o livro de um tempo novo, um tempo que exige que as mulheres ocupem todos os espaços, incluindo a literatura. Este é um livro no qual as meninas salvam o dia. No qual elas são o que são todos os dias na vida real: heroínas. Finalmente.

Heroínas é um livro de contos composto por três adaptações de histórias clássicas: Rei Arthur, Robin Wood e os Três mosqueteiros. Além de ser ambientado nos dias atuais, o protagonismo desses enredos também está diferente. Aqui as mulheres são o centro de toda atenção.

“Uma por todas e todas por uma”, da autora Laura Conrado, nos apresenta a personagem Daniela d’Artagnan, A jovem que é apaixonada pelos animais sonha em ser uma grande veterinária e de quebra trabalhar na reconhecida ONG Mosqueteiros. Parte desse desejo se torna realidade, porém a caminhada durante o trajeto não é nada fácil, mas traz novas e boas amizades para a vida da garota.

“Formandos da távola redonda”, da escritora Pam Gonçalves, conta a história de Marina, uma jovem que está prestes a terminar o ensino médio, mas vê o sonho da formatura ir por água abaixo quando o dinheiro do evento é roubado. Além de todo o estresse do fim da escola, vestibular e o próprio amadurecimento, Marina e outras garotas da escola vão precisar assumir a comissão de formatura e fazer um milagre para que tenham a tão sonhada festa. É bom que já sabemos que o poder feminino faz coisas!

“Robin, a proscrita” aborda a vida de Roberta Horácio, uma jovem que foi adotada quando ainda bebê e viu os pais serem assassinados na comunidade onde mora. Com faro para encrenca e uma vontade imensa de mudar o mundo, a garota logo se vê como uma justiceira ao desviar dinheiro da conta de um pastor totalmente corrupto. O problema? Esse trabalho é muito mais perigoso do que parece.


“Eu aprendi a escutar e a valorizar a fala da outra, ainda que, às vezes, seja uma fala diferente da minha; a voz de toda mulher deve ser respeitada. Sonoridade é isso, né? É a gente se reconhecer uma na outra”.

A leitura de todos os contos é totalmente leve, fluída e recheada por personagens cativantes. É fácil sentar para ler e logo virar a última página dessa obra. Ou seja, é daqueles livros perfeitos para uma tarde de leitura. Além disso, conseguiu cumprir a proposta perfeitamente, já que nos apresenta a força feminina e a importância da amizade entre as mulheres.

Dessa vez também me sinto na obrigação de destacar o lindo trabalho de diagramação realizado pela Galera Record, desde a capa com as cores e desenhos mais lindos, até os detalhes que dividem os contos. Estão de parabéns!

E ai, você ficou curioso com essa leitura? Quem já leu, o que achou?
Continue Lendo
29.9.18

Tema do mês: pós-apocalíptico

Júlia Raquel
Foto: Luna literária


Eu não sei vocês, mas eu amo estórias que envolvam o fim do mundo, doenças que acabam com a sociedade ou ataques que façam com que os humanos fiquem a flor da pele.

Filmes como “Eu sou a lenda”, “Contágio”, “Guerra mundial z”, “O dia depois de amanhã”, “Fim dos tempos”, “A guerra dos mundos” e “Resident Evil”; ou séries como “The walking dead”, “Fear the walking dead”, “Containment”, “The Rain” “The 100” e “The Last Ship”; estão na minha lista de mais assistidos e favoritos.

E, como já era de se esperar, com os livros isso não seria diferente. Por isso, neste mês de outubro (que já está na porta), especialmente aos sábados, teremos postagens dedicadas a dicas de livro, série e filme desse gênero.

Estou bem empolgada e a ideia é trazer mensalmente um tema diferente. Então você já sabe né, vou precisar de ideias para os próximos meses. Além disso, já quero saber quais são as suas obras favoritas que envolvem o tema Pós-apocalíptico. Vamos conversar aqui nos comentários, espero por você!
Continue Lendo
Luna Literária • 2017 Feito com amor por: Lariz Santana