11 junho 2020

Resenha: Sempre teremos o verão

Foto: Luna literária

Sempre teremos o verão
JENNY HAN
Trilogia Verão #3
256 páginas
Jovem adulto
Editora Intrínseca

Belly sempre esteve dividida entre os Fisher. Mas isso parecia ter ficado no passado. Assim como os incríveis dias de verão na casa de praia em Cousins Beach. Conrad, seu primeiro amor, se tornou apenas uma recordação. Agora, era Jeremiah quem ela amava, era com ele que Belly imaginava o futuro.


Eles resolvem se casar e passar o resto da vida juntos, mesmo que para isso precisem enfrentar as famílias, que desde o início são contra essa decisão. Mas quando Belly retorna à casa de praia e reencontra Conrad, antigos sentimentos vêm à tona. Com o dia do casamento se aproximando, as incertezas só aumentam. Seria possível voltar atrás? Ou melhor, seria o certo a fazer? Mais uma vez ela está na casa de praia, dividida entre os dois únicos meninos que já amou.


Neste último volume da série O verão que mudou minha vida, Belly está mais madura e se vê diante de uma importante decisão que mudará sua vida e a dos Fisher para sempre.

Os anos passaram, agora Belly está na universidade e dividindo um romance sólido com Jeremiah. Esta união logo se transformará na realização de em um dos maiores desejos de Suzannah: o casamento entre a garota e um de seus filhos.

Em meio a diversas descobertas e alguns desentendimentos a história é moldada e logo Belly precisará, definitivamente, descobrir qual coração irá partir: Jeremiah ou Conrad?

“E eu o amei como só é possível amar um primeiro amor. É aquele tipo de amor que não tem limites e não quer ter - é estonteante, bobo e intenso. O tipo de amor que só acontece uma vez”.

Sabe quando tudo vai indo bem e desanda pelo caminho? Para mim é o que acontece com essa trilogia. Infelizmente senti que a Jenny Han se perdeu com a conclusão da história e os capítulos finais não fizeram sentido. Ela desenvolveu todo um triangulo amoroso, mudou o foco e depois jogou tudo para o alto. Foi tipo isso. Sério, eu fui lendo e pensando: Belly por que?


A decepção é indiscutível, mas, mesmo assim, preciso admitir que a leitura flui rapidamente, eu devorei essas páginas em poucas horas. A autora sabe como prender o leitor, mesmo que o enredo esteja o tirando do sério.

Os capítulos alternados, e novamente trazendo o passado a tona, nos ajudam a entender melhor os sentimentos dos personagens. Algo que já havia funcionado nos volumes anteriores e aqui, novamente, se encaixa perfeitamente com toda a narrativa.

Não me entendam mal, por favor, não é porque me decepcionei que não o recomendo. A trilogia segue sendo uma história bem gostosinha e de leitura rápida, daquelas perfeitas para uma tarde de verão.

E ai, agora que concluímos as resenhas dessa trilogia posso perguntar a você que já a leu: qual a sua opinião sobre?
10 junho 2020

Resenha: Sem você não é verão, de Jenny Han

Foto: Luna literária

Sem você não é verão
JENNY HAN
Trilogia Verão #2
240 páginas
Jovem Adulto
Editora Intrínseca
No ano passado, todos os sonhos de Belly se tornaram realidade e o pensamento de um verão sem a praia de Cousins ​​era inconcebível. Mas, como a ascensão e queda da maré do oceano, as coisas podem mudar - desse mesmo jeito. De repente, o tempo que ela sempre esperava é o que ela mais teme agora. E quando Jeremiah liga para dizer que Conrad desapareceu, Belly deve decidir como ela vai passar este verão: perseguindo o rapaz que ela ama, ou, finalmente, deixá-lo ir.
⚠️ Pode conter spoiler do primeiro livro – leia a resenha do primeiro volume da trilogia Verão na #jennyhanlunalit ⚠️.
Pela primeira vez Belly não está ansiosa pelo verão. Na verdade ela se quer deseja ir à Cousins Bech e o maior desejo é justamente que a estação mais quente do ano passe voando. A jovem está intertida em ter férias sem graça como todos os seus outros colegas e manter os pensamentos longe de Conrad. Mas, infelizmente, sentimentos não são assim fáceis de serem esquecidos.
Desde o término com o garoto ela não consegue se interessar por mais ninguém e tem a certeza que nunca irá. Conrad foi e sempre será o seu maior amor. Agora, ela precisa entender como seguir com a vida e aprender que nada nunca mais será como antes.
O que ela não contava era não ser a única pessoa sem rumo e sentindo falta de uma peça fundamental em toda essa história. Logo Belly irá descobrir que todos também estão enfrentando um turbilhão de novas emoções.
"Você acha que sabe o que é o amor, você acha que sabe o que é dor de verdade, mas não sabe. A gente não sabe nada".
Quando finalizei “O verão que mudou a minha vida” já fui logo correndo pegar a sequência. Estava muito curiosa para ler os desdobramentos de todos esses sentimentos adolescentes. O que eu não esperava era dar de cara com um enredo mais pesado, capaz até mesmo de me arrancar lágrimas! 😥

Em “Sem você não é verão” um grande acontecimento molda todos os eventos futuros e marcam profundamente esses personagens. Vamos acompanhar a fragilidade da amizade entre Belly, Conrad e Jeremiah, e entender mais sobre os sentimentos de Laurel, a mãe da protagonista e melhor amiga de Susannah.

Infelizmente foi com esses capítulos que a falta de empatia de Belly começou a me incomodar 😶. Mesmo em momentos delicados a jovem segue pensando somente em si mesma e mostrando como é uma adolescente mimada. Mas, como não desistimos assim fácil, e a leitura continuou bem gostosinha e seguimos para o último volume da trilogia.

E ai, qual a opinião de vocês que já leram essa história? Conta aqui nos comentários e vamos papear 😁.
09 junho 2020

Resenha: O verão que mudou a minha vida, de Jenny Han


Resenha o verão que mudou a minha vida
Foto: Luna literária





O verão que mudou a minha vida
JENNY HAN
240 páginas
Jovem adulto
Editora Intrínseca
A vida de Isabel Conklin é marcada pelas férias de verão. As outras estações do ano são comoum intervalo, dias que passam lentamente enquanto ela espera que o sol lhe traga de volta o que mais ama: o mar, descanso, diversão e, principalmente, Conrad e Jeremiah Fisher.
Os garotos da família Fisher sempre estiveram ao lado de Belly em suas aventuras. Conrad é ousado, sombrio, inteligente. Já Jeremiah, é confiável, engraçado, espontâneo. Mesmo sendo tão diferentes, os três constroem uma amizade que parece inabalável. Apenas parece...
Tudo muda quando, em uma dessas férias, Conrad demonstra sentir algo por ela. O problema é que Jeremiah faz o mesmo. À medida que os anos passam, Belly sabe que precisará escolher entre os dois e encarar o inevitável: ela vai partir o coração de um deles.
Belly passa todo o ano contando os dias para as férias de verão. A vida dela gira em torno disso e não é novidade para ninguém como ela ama Cousins Beach. Esse sentimento não é recente, nos últimos anos a jovem tem passado a estação mais quente do ano na casa de praia de Susannah, a melhor amiga de sua mãe, e seus dois filhos, Jerimiah e Conrad.
Mais do que amigos ou simples vizinhos de quarto, os garotos se tornaram o centro das emoções de Belly e será muito difícil ter que dizer adeus, já que no ano seguinte cada um seguirá para um rumo diferente e este pode ser o último verão em que todos estarão reunidos.
Entre mergulhos na piscina, voltinhas no centro e sol na praia, todos eles precisarão enfrentar os próprios sentimentos e descobrir que a vida pode ser muito mais complexa do que parece.
“Os momentos quando passam, não podem ser recuperados. Eles simplesmente passam”.
Eu iniciei essa leitura com muita expectativa de me apaixonar pela história e foi exatamente isso que aconteceu. “O verão que mudou a minha vida” é o tipo de livro que se transforma em uma surpresa mega agradável.
A escrita e diálogos gostosos de Jenny Han, já conhecidos anteriormente com a trilogia de “Para todos os garotos que já amei”, estão presente e logo, com uma narrativa alternando entre passado e futuro, fazem com que você chegue ao último capítulo da obra, sem ao menos perceber.
Alguns conflitos da era adolescente também estão ali, como por exemplo, em minha interpretação, uma jovem se descobrindo. Não apenas com o amor, mas principalmente a si mesma. Neste verão ela percebe que está deixando a infância para trás e como sentimentos antes desconexos, podem se transformar em algo tão claro e intenso.
Fato é, a história consegue cativar quem está com a idade dos personagens, justamente pela identificação com os conflitos ali inseridos, e também quem já passou por essa fase, relembrando com doçura as cenas da vida.
Esse livro é um verdadeiro amor de verão (#aigabisóquemviveusabe rs), mas diferente da vida real, ele deixa brechas para um reencontro não tão distante com uma sequência tão gostosa quanto.
E ai, ficou interessado? Amanhã eu trago aqui a resenha da continuação dessa história.
Quem já leu, também curtiu a leitura?
24 abril 2020

Resenha: Nunca jamais, de Colleen Hoover & Tarryn Fisher

Foto: Luna literário

Nunca Jamais
COLLEEN HOOVER & TARRYN FISHER
Trilogia
480 páginas
Romance
Galera Record

Charlie Wynwood e Silas Nash são melhores amigos desde pequenos. Mas, agora, são completos estranhos. O primeiro beijo, a primeira briga, o momento em que se apaixonaram... Toda recordação desapareceu. E nenhum dos dois tem ideia do que aconteceu e em quem podem confiar.

Charlie e Silas precisam trabalhar juntos para descobrir a verdade sobre o que aconteceu com eles e o porquê. Mas, quanto mais eles aprendem sobre quem eram, mais questionam o motivo pelo qual se juntaram no passado.

Já imaginou acordar e não lembrar de absolutamente nada da sua vida? É exatamente isso que acontece com Charile e Silas. O casal de adolescentes era melhores amigos durante a infância, logo se apaixonaram e agora são completos estranhos. Cada detalhe de suas vidas simplesmente desapareceu.

Sem ter ideia do que pode ter acontecido e sem poder confiar em ninguém, os jovens embarcam em uma jornada na busca por respostas e logo descobrem muito mais sobre eles mesmos e os segredos que envolvem suas famílias. Juntos ambos precisam se reencontrar dentro da própria história.

“Prefiro confiar em versões de nós mesmos de que não nos lembramos do que em pessoas que sequer conhecemos”.

Eu li esses livros lá em 2018 e de acordo com as minhas anotações, logo após finalizar a leitura do primeiro e segundo volume a minha reação foi: “Não vou negar, essa foi a história mais fraca da CoHo até o momento. A obra despertou o meu interesse, devorei as poucas páginas e quero logo ler a sequência, mas  mesmo assim, não consigo imaginar qual será o desfecho desses personagens”.

Na época a conclusão da história ainda não havia sido publicada por aqui e eu resolvi esperar. Agora posso afirmar que o último volume também é bom, mas tem um final meio apressado, como se as autoras não soubessem muito bem o que fazer. Vale ressaltar que a grande revelação, somada a algumas pontas soltas, podem incomodar alguns leitores, mesmo com toda a pegada apaixonante que os personagens possuem.

Mesmo assim, considero que é uma leitura bem gostosa e fácil de realizar. Com o romance que a Colleen Hoover adora e umas pitadas bem emocionantes da Tarryn. A minha única queixa é terem dividido em três edições, totalmente desnecessário, visto que cada uma delas possui poucas páginas.

Alguém por aqui já leu e compartilha da mesma opinião? Há quem discorde? Vamos conversar!
23 abril 2020

23 de abril: dia internacional do livro

Foto

Hoje, 23 de abril, é comemorado o dia internacional do livro e claro que eu não poderia deixar de vir aqui registrar todo o meu amor .
É por meio da leitura que visitamos os mais diferentes mundos e vivemos diversas aventuras. Eu por exemplo já fui princesa, feérica, bruxa, me envolvi nas mais pesadas intrigas políticas, fiz viagens até Marte, descobri como controlar fogo e o vento, encarei a vida pós-apocalíptica, fui um cachorro em busca do seu amado dono, de quebra ainda desvendei milhares de assassinatos e claro, vivi muitos amores.

Foto: Luna literária
São muitas histórias, umas mais marcantes que as outras, até por que foram muitos livros lidos nos últimos anos, mais de 300 leituras. Sei que muitas outras ainda me aguardam, pois mesmo em tempos mais conturbados, não consigo deixar este hábito de lado.
Eu amo ler!

Agora vamos ter aquela conversa: o que os livros significam para você?
Luna Literária • ONLINE DESDE 2016 Feito com amor por: Lariz Santana