17.1.19

Tema do mês: pós-apocalíptico #4

Júlia Raquel
Foto: Luna literária

Sangue quente
ISAAC MARION
256 páginas
Romance
Leya Brasil
Onde comprar? Amazon

R é um jovem vivendo uma crise existencial - ele é um zumbi. Perambula por uma América destruída pela guerra, colapso social e a fome voraz de seus companheiros mortos-vivos, mas ele busca mais do que sangue e cérebros. Ele consegue pronunciar apenas algumas sílabas, mas ele é profundo, cheio de pensamentos e saudade. Não tem recordações, nem identidade, nem pulso, mas ele tem sonhos.
 
Após vivenciar as memórias de um adolescente enquanto devorava seu cérebro, R faz uma escolha inesperada, que começa com uma relação tensa, desajeitada e estranhamente doce com a namorada de sua vítima. Julie é uma explosão de cores na paisagem triste e cinzenta que envolve a "vida" de R e sua decisão de protegê-la irá transformar não só ele, mas também seus companheiros mortos-vivos, e talvez o mundo inteiro. Assustador, engraçado e surpreendentemente comovente, Sangue Quente fala sobre estar vivo, estando morto, e a tênue linha que os separa.


Na verdade histórias pós-apocalípticas vem sendo o tema deste quadro durante os últimos meses. Porém, finalmente a última indicação vai ao ar e a partir da próxima semana vamos falar sobre adaptações para as telinhas.

Mas me diz aqui, você sabia que o filme “Meu namorado é um zumbi”, estrelado pelo Nicholas Holt da série Skins, é na verdade uma adaptação cinematográfica do livro “Sangue quente”? Escrito pelo autor Isaac Marion e publicado aqui no Brasil pela Editora Leya, a obra é um romance que fala basicamente sobre estar vivo, mesmo quando se está morto.

Ambientado durante um apocalipse zumbi, a obra é narrada do ponto de vista de R, nada menos do que um morto vivo. O garoto não consegue lembrar o próprio nome, como e onde vivia antes do mundo ser o que é. Mas, sempre que come pedaços de cérebro ele consegue acessar as memórias daquela pessoa, viver um pouco outras vidas.

E, assim como em qualquer outra história sobre zumbis, R se arrasta, geme e, obviamente, caça humanos. É nesse contexto que ele acaba conhecendo uma humana. Logo após devorar o namorado da jovem, R se vê com um sentimento diferente. Ao invés de querer comer, ele sente a necessidade de protegê-la. Mas, como isso pode ser possível, zumbis podem ter sentimentos? Será possível conseguir combater a fome por meio do amor?

Com uma escrita bem detalhista, simples e leve, o autor nos entrega uma história bem engraçada e convenhamos, original. Eu como amante de narrações envolvendo apocalipses simplesmente adoro essa obra <3

E ai, você já leu esse livro ou assistiu o filme? Espero que você tenha gostado do post! Beijos e até o próximo 😘

Continue Lendo
14.1.19

Diário de uma ansiosa ou como parei de me sabotar, de Beth Evans

Júlia Raquel
Foto: Luna literária


Diário de uma ansiosa ou como parei de me sabotar
BETH EVANS
192 página
Autoajuda
Galera Record
Onde comprar? Amazon
Avaliação: 4🌟's

A vida adulta não é fácil. E quem nunca fuxicou as redes sociais de amigos bem-sucedidos, só para se comparar, e acabou se sentindo pior ainda, que atire a primeira pedra. Contando suas próprias histórias vergonhosas, e outras mais sérias como depressão e TOC, a autora consegue extrair lições valiosas, sem perder a leveza diante da seriedade de diversos assuntos.


Este livro é repleto de conselhos amigáveis sobre como cuidar de si mesmo, como procurar ajuda (não importa quais sejam seus problemas) e agarrar-se aquilo que te faz feliz – seja uma banda, seja uma maratona da Netflix. Beth Evans é uma contadora de histórias supercriativa, e seus desenhos complementam suas palavras com um humor único. Diário de uma ansiosa ou como parei de me sabotar é como um abraço do seu melhor amigo naqueles dias sofríveis. E, como melhor amigo, está aqui para dizer: 'Você consegue!'.

Que ser adulto não é lá uma tarefa muito fácil nós já estamos cansados de saber, ainda mais quem já chegou nessa fase da vida. São diversos desafios a cada ano e é preciso muita calma para não acabar se sabotando.

Os problemas estão em todos os lugares e é claro que não há uma solução que se adapte a rotina de todos nós. Essa é exatamente uma, talvez entre tantas, mensagens que a autora Beth Evans compartilha na obra “Diário de uma ansiosa e como parei de me sabotar”.

“Em um mundo onde somos ensinados a seguir outro tipo de perfeição, ver beleza. às vezes na imperfeição, é o melhor a fazer.”

Com uma escrita leve, ilustrações bem humoradas e um traço fofo, muitas páginas contam com alguma experiência da própria autora, o que nos faz dar muitas risadas, mas também refletir bastante ao longo dos capítulos.

Depressão, ansiedade, toc. São muitos os assuntos retratados na obra de uma maneira em que deixa o leitor confortável do início ao fim. Pode ir se preparando para começar a ler e quando perceber, puff, virar a última página.

Há conselhos e mais conselhos compartilhados que podem mudar o jeito que você encara os momentos negativos na vida. Vale a pena a leitura!

E ai, você ficou curioso com a leitura desse livro? Quem por ai já teve a oportunidade de lê-lo?
Continue Lendo
4.1.19

O jogo, de Elle Kennedy

Júlia Raquel
Foto: Luna literária


O jogo
ELLE KENNEDY
Série: Amores improváveis #3
343 páginas
Romance adulto
Editora Paralela
Onde comprar? Amazon
Avaliação: 5🌟’s

Talentoso, inteligente e festeiro, Dean Di Laurentis sempre consegue o que quer. Sexo, notas altas, sexo, reconhecimento, sexo… É sem dúvida um galanteador de primeira, e ainda está para encontrar uma mulher imune ao seu charme descontraído e seu jeito alegre de encarar a vida. Isto é, até ele se envolver com Allie Hayes. Em uma única noite, essa jovem atriz cheia de personalidade virou o mundo de Dean de cabeça para baixo. E agora ela quer que eles sejam apenas amigos? Dean adora um desafio, e não vai medir esforços para convencer essa mulher tão linda quanto teimosa de que uma vez não é suficiente. Mas o que começa como um simples jogo de sedução logo se torna a experiência mais incrível e surpreendente de sua vida. Afinal, quem disse que sexo, amizade e amor não podem andar de mãos dadas?

Allie é o tipo de garota que não tem romances casuais, ela simplesmente gosta de namorar. Por isso quando começa a ficar com Dean, logo após terminar uma relação de anos, algo que deveria ser divertido, de uma única noite e pura química, acaba se transformando em algo mais.

Dean, por outro lado, não quer saber de namoro. Jogador de hóquei, o garoto é um pegador nato, gosta de festejar e curtir o máximo possível, o que ele apelida carinhosamente como estilo “Vida do Dean”. Logo, quando começa a sair com Allie, fica disposto a mostrar para a jovem como o casual também pode ser bom. Mas, será possível separar as coisas e manter o amor longe dessa relação?

“Mas talvez precisasse da queda para aprender que a vida não é perfeita, que as coisas ruins acontecem e que você não pode parar de viver quando elas o surpreendem”.

O que deveria ser um caso de uma noite entre duas pessoas que não se gostavam, acaba transformando-se em uma romance de tirar o fôlego e fazer com que você torça muito por esse casal. Além do relacionamento, a história também foca em outros pontos, com direito a muito drama e choro no leitor.

Esse de longe foi o livro mais engraçado de toda a série, mesmo ainda não sendo o meu favorito. Dean é hilário, carismático e de uma personalidade bem forte. Mas, como dito anteriormente, a carga emocional também é bem forte e me fez derramar algumas (para não dizer muitas) lágrimas com alguns acontecimentos.

Como esperado a escrita da Elle Kennedy continua perfeita, leve e simples. Comecei em um dia e no seguinte já havia terminado, além de claro, já correr para iniciar a sequência que promete ser ainda melhor.

E ai, você ficou curioso com essa história? Quem já leu, gostou?
Continue Lendo
3.1.19

Frases e trechos: Todo dia

Júlia Raquel
Foto: Luna literária

Todo dia

DAVID LEVITHAN
280 páginas
Romance
Galera Record
Onde comprar: Amazon


Neste novo romance, David Levithan leva a criatividade a outro patamar. Seu protagonista, A, acorda todo dia em um corpo diferente. Não importa o lugar, o gênero ou a personalidade, A precisa se adaptar ao novo corpo, mesmo que só por um dia. Depois de 16 anos vivendo assim, A já aprendeu a seguir as próprias regras: nunca interferir, nem se envolver. Até que uma manhã acorda no corpo de Justin e conhece sua namorada, Rhiannon. A partir desse momento, todas as suas prioridades mudam, e, conforme se envolvem mais, lutando para se reencontrarem a cada 24 horas, A e Rhiannon precisam questionar tudo em nome do amor.

Oi gente, tudo bem com vocês? Para o post de hoje resolvi reunir alguns dos trechos favoritos de uma leitura não tão favorita (hahahah) que é “Todo dia” do David Levithan. Já tem resenha da obra aqui no Luna e você pode ler acessando a #davidlevithanlunalit. Confira os trechos:

“Sou um andarilho e, por mais solitário que isso possa ser, também é uma tremenda libertação”.

“Tem tantas coisas que podem manter você em um relacionamento. Medo de ficar sozinho. Medo de bagunçar a ordem da sua vida. A decisão de se acomodar com algo que é razoável porque não sabe se pode arrumar coisa melhor. Ou, talvez, a crença irracional de que vai ficar melhor, mesmo que você saiba que ele não vai mudar”.

“Apaixonar-se por alguém não significa que você saiba como a pessoa se sente. Significa apenas que você sabe como você se sente”.

“A incapacidade de perceber que, não importa qual seja nossa religião, sexo, raça ou localização geográfica, todos nós temos cerca de 98 por cento em comum com todos os outros”.

“Eu não podia nadar contra a maré, por isso decidi nadar COM ela”.

“Nunca me apaixonei por um gênero. Apaixonei-me por indivíduos. Sei que é difícil as pessoas fazerem isso, mas não entendo por que é tão complicado, quando é tão óbvio”.

“Penso em como as pessoas usam o diabo para dar nome às coisas que temem. A causa e o efeito estão invertidos. O diabo não obriga ninguém a fazer coisas. As pessoas é que fazem as coisas e culpam o diabo por isso”.

“Queria que o amor conquistasse tudo. Mas o amor não conquista tudo. Ele depende de nós para conquistar em seu nome”.

E ai, você ficou curioso com a leitura? Quem já leu esse livro, qual a sua opinião sobre? Beijos e até o próximo post!
Continue Lendo
2.1.19

13 segundos, de Bel Rodrigues

Júlia Raquel

Foto: Luna literária

13 segundos
BEL RODRIGUES
304 páginas
Jovem adulto
Galera Record
Onde comprar? Amazon
Avaliação: 3🌟’s

O fim de um relacionamento é sempre um período difícil, mas isso se intensifica quando você está no último ano do colegial e precisa decidir o que será do seu futuro. Lola sabe que a decisão foi o melhor para os dois, mas aquela saudade de alguém que estava sempre presente é inevitável. Agora, tudo que Lola quer é deixar isso para trás e focar em pôr a vida em ordem novamente, se redescobrindo após um relacionamento que exigiu tanto dela e reavaliando suas prioridades: estudo, amigos, família e o canto, sua maior paixão. Com o corte do coral das atividades extras, a garota finalmente decide ouvir seus amigos e resolve criar um canal no YouTube para postar alguns covers, nada mais do que um hobby para substituir seu tão amado coral. Focada em não se relacionar seriamente e aproveitar as festas do último ano, tudo parece se alinhar quando Lola conhece John, um intercambista que busca exatamente o mesmo que ela: se divertir e criar memórias inesquecíveis. Quanto mais as coisas mudam, mais a garota percebe como perdera seu tempo tentando salvar um relacionamento que já estava naufragado, e como agora ela se sentia genuinamente feliz com as pessoas incríveis à volta e seu grande hobby se tornando cada vez mais influente. Entre conselhos sinceros, noites quentes e provas do Ensino Médio, a única coisa que Lola não poderia prever era o quão rápido tudo poderia desmoronar. Em treze segundos, especificamente.

Lola acabou de sair de um relacionamento, mesmo assim a garota está disposta a não deixar isso a afetar e curtir muito as férias e o último ano na escola. Mesmo disposta a seguir em frente, a saudade e o fato de ver o ex-namorado diariamente dificultam um pouco a vida da garota. Mas, isso muda logo após uma noite regada a muito álcool e diversão. A garota acaba amanhecendo na cama de um até então desconhecido. Mas, a grande surpresa (ou nem tanto) da jovem é descobrir que o rapaz é o novo intercambista na escola dela.

É em meio à descoberta de um novo romance, alguns ataques de ciúmes por parte do ex, muito companheirismo dos amigos e o corte das atividades do coral que Lola finalmente resolve dar uma chance a sua voz e lança alguns vídeos no Youtube. Aos poucos a garota vai percebendo como perdeu tempo tentando salvar, e mudar, um relacionamento que já estava fadado ao fracasso. Agora ela quer mais que tudo focar em seu hobby e curtir um novo romance com canadense John.

Mas, a vida tem dessas surpresas e a vida de Lola vai mudar da noite para o dia, com apenas 13 segundos toda a sociedade vai julgá-la.

Além de abordar a divulgação de imagens intimas o livro também trata de outros assuntos como relacionamentos abusivos, amizade, feminismo e a família. As minhas personagens favoritas de longe foram à mãe e a irmã mais nova da Lola, adorei ambas. Também gostei MUITO da escrita da Bel, foi bem leve e ajudou a leitura a ser rápida, além de adorar que a cada início de capítulo uma música foi indicada. Esses detalhes me encantam.

Mesmo assim me sinto na obrigação de falar que achei a proposta real do livro pouca explorada. A sinopse nos vende um caso de “revenge porn”, mas isso só acontece mais da metade do livro para frente.

Algo que também me incomodou foi à sensação de “garota perfeita”. Todos amam a personagem principal, ela não comete erros, tem uma voz incrível e é reconhecida, possui diversos amigos, uma mãe bacana e uma irmã mais ainda. E claro, o romance estoura facilmente. Acaba sendo um tanto quanto difícil desenvolver certa empatia com a garota, claro, até o a bomba principal do livro explodir. Porém, o final é muito bom, tanto que terminei de uma só vez, pena que acabou rápido.

E ai, você que já leu essa história concorda comigo? Quem ainda não leu, tem curiosidade para conhecer mais da Lola?

Continue Lendo
26.12.18

Tarde demais, de Colleen Hoover

Júlia Raquel
Foto: Luna literária

Tarde demais
COLLEEN HOOVER
384 páginas
Romance
Editora Galera Record
Onde comprar? Amazon
Avaliação: 3🌟’s

Para proteger o irmão, Sloan foi ao inferno e fez dele seu lar. Ela está presa em um relacionamento com Asa Jackson, um perigoso traficante, e quanto mais os dias passam, mais parece impossível enxergar uma saída. Imersa em uma casa incontrolável que mais parece um quartel general, rodeada por homens que ela teme e sem um minuto de silêncio, também parece impossível encontrar qualquer motivo para se sentir bem. Até Carter surgir em sua vida.

 Sloan é a melhor coisa que já aconteceu a Asa. E se você perguntasse ao rapaz, ele diria que também é a melhor coisa que já aconteceu a Sloan. Apesar de a garota não aprovar seu arriscado estilo de vida, Asa faz o que é preciso para permanecer sempre um passo a frente em seu negócio e proteger sua garota. Até Carter surgir em sua vida.
 
A chegada de Carter pode afetar o frágil equilíbrio que Sloan lutou tanto para conquistar, mas também pode significar sua única saída de uma situação que está ficando insustentável.

Sloan está em um relacionamento abusivo, em partes por necessidade, outras por costume. Presa em uma casa rodeaao por homens que teme, a jovem não vê saída dessa situação e desconfia de qualquer oportunidade que aparece. E não é só isso, a jovem tem uma dose de azar e sofrimento bem grande. Pais ausentes durante toda a vida, a morte de um irmão e ter que se virar sozinha durante muitos anos são algumas das barras que precisou enfrentar. Agora ela não consegue se livrar do namorado que a chantageia sem limites.

Asa, o namorado, é um traficante. Mas, este não é o problema. O homem é nojento, machista, manipulador e narcisista. Sérios problemas de comportamento que podem levar os leitores a loucura ao longo das páginas. O cara acredita fielmente que a melhor coisa em sua vida é Sloan e, na vida dela, ele é o melhor que já a aconteceu.

Já Carter é um misterioso funcionário de Asa que carrega muito mais segredos do que o casal possa imaginar. Ele é o alívio, mas ao mesmo tempo a nova tormenta na vida de Sloan. E, também vai ser o responsável por desencadear sérias crises de ciúmes por parte de Asa.

“Não tenho energia suficiente para dizer a ela que é tarde demais. Fecho os olhos pela última vez. Mas tudo bem, porque ela é tudo o que vejo. Ela é a última coisa que vou ver.”

O livro é narrado e divido pelos três protagonistas, Sloan, Asa e Carter. Assim é possível mergulhar na mente de cada um deles e entender melhor pelo o que estão passando. Mesmo assim, para mim, a melhor construção foi o Asa e toda a loucura de acreditar que faz o melhor pela Sloan.

Ok, preciso concordar que a Colleen Hoover fumou umas três drogas durante a construção do livro. Discordo de muitas coisas, mas para mim o mais difícil de engolir foi o final. O epílogo foi totalmente desnecessário e ficou parecendo que a autora não sabia como colocar um ponto final na história. O livro é péssimo? Não. É perda de tempo? Também não. Porém, não acho que seja uma leitura obrigatória para conhecer a autora, comece por outros títulos.

E você, já conhece essa obra? Qual sua opinião sobre?
Continue Lendo
23.12.18

O que é racismo estrutural?, de Silvio Almeida

Júlia Raquel
Foto: Luna literária


O que é racismo estrutural?
SILVIO ALMEIDA
204 páginas
Não ficção
Editora Letramento
Avaliação: 5🌟’s

O que é racismo estrutural? traz reflexões inovadoras acerca da construção das noções de raça e racismo. Depois de fornecer argumentos e tecnologias para a escravidão e o colonialismo, tais conceitos desafiam as sociedades contemporâneas como o Brasil, onde crescem anseios por igualdade racial. A indagação central da obra exige resposta complexa, englobando aspectos históricos, políticos, sociais, jurídicos, institucionais. O autor nos convida à sua demonstração, tecida em análises feitas à luz da filosofia, ciência política, economia e teoria do direito. Com escrita sedutora e admirável erudição, Silvio Almeida finca o produtivo conceito de racismo estrutural. Seu livro constitui-se, desde já, em importante referência para a educação antirracista, calcada nos valores da igualdade, liberdade e direito à vida.

Compreender o conceito de raça e saber a diferença entre preconceito e discriminação é essencial para qualquer pessoa. Muito além disso, saber o quão privilegiado você é e o outro não, abre os olhos e é exatamente isso que o autor Silvio Almeida faz neste livro.

É por meio de análises, uma imensa bibliografia e uma escrita prática, Silvio Almeida traz para as páginas aspectos políticos, históricos, sociais, institucionais e muita informação para tentar explicar melhor o que é raça e racismo, sendo este apresentado como um desdobramento da própria estrutura social. Usa da ciência, política e filosofia ao abordar o conceito de racismo estrutural e traz outros pensadores como Stuart Hall e Angela Davis, além de diversas teorias ao longo dos capítulos.

“A tese central é a de que o racismo é sempre estrutural, ou seja, de que ele é um elemento que integra a organização econômica e política da sociedade”.

O quarto livro da coletânea “Feminismos plurais” da editora Letramento traz debates com uma linguagem bem simples e acessível. Além disso, por possui poucas páginas e um tamanho semelhante a livros de bolsos, mas com o tamanho de fonte padrão, a leitura acaba se tornando rápida, coisa para uma tarde.

Chegou a hora de você me contar se possui interesse por livros como esse? Você já leu este ou outra obra semelhante? Vamos conversar!

Continue Lendo
Luna Literária • 2017 Feito com amor por: Lariz Santana